Há 25 anos introduzimos de forma pioneira peças elaboradas com madeiras defeituosas aos olhos do mercado. Desenvolvemos, assim, a percepção de valor mesmo onde havia rachaduras, nós, brancais, buracos e até madeiras de árvores frutíferas, antes tratadas como resíduo e descarte.

Essa visão contribuiu para a construção de um padrão de consumo consciente que vem atraindo um público cada vez maior, mas que muitas vezes não possui as informações necessárias sobre o produto que adquire, em especial quando se trata de madeira, uma matéria-prima nobre, que vem acompanhando a história e a evolução da humanidade, mas que necessita de cuidados e critérios de uso para que possa ser conservada.